segunda-feira, 28 de junho de 2010

Um pontinho no meio da multidão.

Hoje vim a pé para casa. Como trabalho e moro na região central, meus caminhos são sempre tumultuados e turbulentos: sinais, carros, buzinas, pessoas. Muitas pessoas! Pessoas que esperam o ônibus, que estão indo ou saindo do trabalho, que estão fazendo compras. Pessoas que estão vivendo suas vidas.
Eu realmente gosto dessa "agitação"das grandes cidades. Em um lugar pequenao você se torna parte de uma comunidade que se conhece e que cria regras de convivência muito particulares. Sua vida é quase que propriedade comum. Todos sabem seu nome, endereço, relacionamentos e temperamento. Você é parte determinante de um todo maior.
Nos grandes municípios, não é bem assim. Somos apenas mais um no meio de uma vasta multidão, um rosto desconhecido e impessoal, vagando pelas ruas, como sombras.
Claro que ambas as situações tem seus prós e contras , e não é meu objetivo expô-los aqui. Cada um pode enumerar, do seu ponto de vista, o lado positivo e negativo de cada contexto. Mas eu, particularmente, adoro a impessoalidade da multidão! Andar pelas ruas sem necessariamente encontrar algum conhecido, sem ter que dizer aonde vai, sem ter que dar bom-dia por obrigação! Ir e vir livremente, sem preocupar-se em demasia com os olhares alheios.
Quase chegando em casa, lembrei-me de uma história relatada pelo meu avô. Certa vez, ele viu um homem andando pelas ruas do Rio de Janeiro trajando um pijama. Não parecia ser um homem que não tivesse consciência do que estava fazendo: agia naturalmente, fazendo compras e olhando as lojas. Na época meu avô me disse: "ele com certeza sabia que não encontraria nenhum conhecido e que dificilmente tornaria a encontrar as pessoas que o viram naquele dia".
De fato, ele estava correto. Mesmo passando todos os dias pela mesma rua, meu avô nunca mais o viu. Meu avô e o moço do pijama eram somente mais um potinho no meio da multidão. E eu também sou.

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Em cinco horas


Sei que este blog está meio às moscas, mas tenho bons motivos para deixá-lo tão a mercê do tempo. Além de dedicar-me com mais afinco à outras atividades, terminei esta semana o primeiro módulo da oficina de textos da Maíra Viana. ( Ver posts anteriores). Dia 08/06 inicia-se o segundo módulo. Ao longo desta primeira etapa redigi quatro textos. Em breve postarei todos aqui, mas antes preciso ainda fazer algumas revisões.
Como todos sabem amanhã é o início de um feriado prolongado e grande parte das pessoas estão partindo para visitar parentes, descansar no campo ou ainda curtir uma praia. Eu não. Em cinco horas embarco para o Rio de Janeiro para participar do II Congresso Brasileiro de Saúde Mental. Tenho poucas chances de encontrar colegas da área que atuam em outros municípios e achei prudente não perder essa importante oportunidade.
Malas prontas! Pé na estrada! Coração tranquilo e mente aberta para absorver novas experiências!